11 3052-134311 97119-3040

Obstetrícia

Talvez a mais nobre das especialidades médicas, pois  estuda a mulher em seu momento mais sublime, durante a gestação, parto e puerpério.

Com a melhora nessa assistência, observamos redução das complicações materno- fetais já durante o pré natal, menor mortalidade materna e fetal associada ao parto e estímulo á amamentação durante o puerpério.

No pré-natal realizado em nossa Clínica, a futura mamãe deve ser acolhida e orientada sobre a etapa que se inicia, as necessidades da gravidez, preparo para o parto e principalmente, deve ser respeitada em suas escolhas, sempre buscando o bem estar do bebê.

O casal é orientado sobre os benefícios do Parto Normal e como esse momento pode ser mais respeitoso com as técnicas de humanização: Uso da musicoterapia, baixa luz, banho terapêutico, acompanhante sempre junto e participativo, medidas para controle da dor e até analgesia, massagens, clampeamento tardio do cordão umbilical, primeiro contato pele a pele mamãe e bebê, aleitamento já na primeira hora de vida, evitando o uso do colírio de prata em casos de sorologias conhecidas, respeitando o Plano de parto, não realizando episiotomia( nunca realizamos).

Nossa equipe conta com Obstetra, Obstetriz e doula para oferecer o máximo de atenção e respeito durante o Parto Humanizado. Realizamos Parto Humanizado nos principais Hospitais de São Paulo -SP . Aqui abaixo algumas dúvidas no Pré Natal e Parto. Vejo vocês em breve!
Como evitar diabetes gestacional
O diabetes gestacional é definido como um excesso de glicose na corrente sanguínea durante a gestação e em geral ocorre por volta do quinto mês devido ao excesso de hormonios da gestação que reduzem a sensibilidade da insulina, hormônio necessário á introdução da glicose na célula.
 
Na primeira consulta de pré natal vamos investigar alguns fatores de risco para Diabetes Gestacional e solicitar o primeiro exame que é a Glicemia de Jejum, caso o nível esteja acima de 85  e a paciente possuir fator de risco para Diabetes, outro exame será necessário, o teste de tolerancia a glicose.
 
Alguns Fatores de risco
Idade superior a 25 anos, histórico familiar de diabetes, diabetes gestacional anterior, bebês de gestações anteriores que nasceram com mais de 4 kg, gestações anteriores com bebê natimorto inexplicável,  excesso de peso antes da gravidez
 
Prevenção
Dieta equilibrada  e fracionada (pouco a cada 3 horas) e incluir frutas, legumes, grãos integrais e limitar  carboidratos altamente refinados, incluindo doces .

Exercicios
Exercício reduz o nível de açúcar no sangue, estimulando o corpo a mover a glicose para as células, onde é utilizada para produzir energia. O exercício também aumenta a sensibilidade das células à insulina, o que significa que seu corpo vai precisar produzir menos insulina para transportar açúcar. Nos casos em que há falha no controle glicêmico com dieta e atividade física, pode ser iniciado o uso de insulina.
 
Complicações
Peso excessivo ao nascer, nascimento de bebê prematuro, síndrome do desconforto respiratório, hipoglicemia logo após o nascimento, diabetes tipo 2 mais tarde na vida.
 
MITOS E VERDADES
Se eu tive Diabetes na primeira gravidez, vou ter na segunda gestação?
MITO - Embora esse seja um fator de risco, essa não é uma certeza. Além de história de diabetes na gestação anterior, outros fatores são idade acima de 25 anos, obesidade, bebê grande ou excesso de líquido em gestação anterior, história familiar.
 
Diabetes Gestacional impede um parto normal?
MITO -  A presença de  Diabetes bem controlado vai gerar um feto com tamanho e peso estimado e com boas condições para o parto normal. A cesariana está indicada se o feto é maior que 4,5kg, apresentação anômala ou sinais de sofrimento intra útero.

Toda gestante diabética precisa usar insulina?
MITO – A maior parte das gestantes com Diabetes consegue um bom controle apenas com dieta e exercícios físicos, o uso de insulina se reserva aos casos de controles  mais difíceis. Esse diagnóstico é possível através da curva glicemica, em que a paciente mede a glicemia antes e após refeições e com base nessa tabela indicamos ou não a medicação
 
Estresse pode contribuir para o Diabetes Gestacional?
VERDADE - A diabetes gestacional é uma complicação da gravidez causada pelo aumento de substâncias como o cortisol, prolactina e insulina, lactogênio placentário ,porem se torna mais comum:

Após os 35 anos, obesidade antes da gravidez , diabetes em gravidez anteriores, gestação múltipla, historia de família em primeiro grau, por isso aconselhamos, tentar eliminar discussões no casal, fazer dentro do possível exercícios para melhorar nossa serotonina e por consequência nossas endorfinas que vão ajudar e muito o bebê que no futuro não será candidato ao estresse toxico , uma boa dieta , e muita motivação , assim o cortisol fica mais fraco, e a auto estima de todos (inclusive a do bebê) fica mais forte 
 
É verdade que a grávida com Diabetes tem mais infecção?
VERDADE - Como o Diabetes reduz o sistema imunológico, há maior ocorrencia de infecções urinárias, genitais e respiratórias.
Cuidados do pré natal
Durante as consultas de pré-natal, que em geral são mensais, além de orientar e tirar dúvidas, o médico deve observar o ganho de peso, aferir a pressão arterial, medir o crescimento do útero, avaliar a presença de inchaços pelo corpo e com isso suspeitar e detectar precocemente alterações como diabetes e hipertensão gestacionais.

Em relação ás medidas que a própria mulher deve tomar para garantir uma gestação saudável, estão cuidados com higiene e alimentação:

• Doces, bolos, café, chá (com cafeína), refrigerantes, açúcar e bebidas com gás devem ser evitados pois favorecem o ganho de peso, prejudicam a digestão e aumentam a pressão arterial da mãe

• Álcool e cigarro jamais, pois é prejudicial para ambos.

• Mariscos, carnes malpassadas, leite e queijos não pasteurizados devem ser evitados pelo risco de intoxicação.

Na gravidez, a mãe deve ter cuidado redobrado com a saúde, sendo recomendável a prática de exercícios físicos e ingestão de suplementos vitamínicos com ácido fólico, sais minerais, vitaminas e ferro.

Atividades físicas são recomendadas, principalmente aeróbicos como caminhada, corrida, bicicleta, hidroginástica, natação. Esses exercícios são úteis também na preparação do trabalho de parto, pois a força da musculatura do útero demanda grandes reservas do corpo materno e é como se a mulher fosse enfrentar uma maratona.

Converse com seu obstetra sobre exercícios físicos e procure um educador físico com experiência em gestantes.

Boa malhação!
Intercorrências na gravidez
As gestantes que realizam pré natal comigo ás vezes se mostram receosas em ligar quando notam algo anormal no decorrer da gravidez, apesar de sempre orientar a importância em me comunicar quando algo diferente acontece, mas afinal, o que são sinais de alerta?

A mulher precisa estar atenta aos sinais emitidos pelo corpo:
• Hemorragia em qualquer fase da gravidez
• Perda de líquidos pela vagina
• Corrimentos vaginais com coceira ou cheiro ruim
• Cólicas abdominais
• Febre
• Dor ou queimação ao urinar
• Vômitos persistentes que levam a queda do estado geral
• Dores de cabeça fortes ou contínuas, alteração visual
• Diminuição dos movimentos fetais

Em qualquer um desses casos, deve-se procurar o obstetra o mais rápido possível, para prevenção de possíveis complicações para a mãe e o feto.
Escolhendo seu médico de pré natal
Gerar um filho saudável começa muito antes do parto, e o primeiro passo é um bom acompanhamento de pré-natal, onde uma série de cuidados deve ser tomados inicialmente, para assegurar, no fim da gestação, o nascimento de uma criança saudável e o bem estar materno.

Nas consultas médicas, a futura mamãe é orientada sobre os cuidados com a gravidez e o uso de vitaminas essenciais, além de ser submetida a exames físicos, laboratoriais e de imagens. Tais medidas são importantes, pois podem diagnosticar distúrbios na saúde da mulher e do feto, de forma precoce e com possibilidade de correção médica.

A Organização Mundial da Saúde preconiza o mínimo de seis consultas de pré-natal.

Já na primeira, que deve ser agendada assim que a gravidez for descoberta, serão solicitados exames como hemograma completo, glicemia de jejum, tipagem sanguínea, sorologias para toxoplasmose, rubéola, sífilis, hepatite B e C, de citomegalovírus, de HIV, de dosagem dos hormônios TSH, de T4 livre e análise de urina.

No decorrer da gestação, alguns deles são repetidos, e a paciente ainda deverá realizar exames de imagem, como ultrassonografias morfológicas e ecocardiograma fetal. Já no fim da gravidez, há a pesquisa da bactéria estreptococo na região genital e a ultrassonografia com doppler.

Quando o pré-natal não é realizado adequadamente, a gestante fica sujeita à presença de doenças graves, como infecções urinárias, diabetes gestacional e eclampsia, que podem ser até fatais para a mãe e o feto. Além disso, tem a hipertensão arterial, que ainda é a causa mais frequente de morte materna no Brasil.

Portanto, se a gravidez faz parte dos seus planos em um futuro próximo, procure se preparar adequadamente e siga à risca os procedimentos solicitados. Nesse momento de tanto amor, o médico deve fazer parte, orientando e acolhendo a família, a fim de garantir uma gestação saudável e um parto tranquilo.
O que a gestante não pode comer?
A gestação é um momento muito especial na vida da mulher, e junto com o teste de gravidez positivo iniciam-se uma série de mudanças no corpo e no sistema digestivo da mulher. Os primeiros meses são caracterizados pela ocorrência de náuseas, vômitos e salivação em excesso, enquanto na segunda metade da gestação as queixas são constipação e má digestão.
Cabe ao ginecologista durante as consultas de pré natal orientar sobre o que pode ou não entrar no cardápio da gestante para que se tenha um bebê saudável.

Alimentos que devem ser evitados:
• Carnes cruas, mal passadas ou defumadas:
Podem ser focos de toxoplasmose, doença que pode provocar danos ao feto ou salmonella com infecção intestinal.

• Alguns peixes:
Atum, cação e peixe-espada são ricos em mercúrio e por isso devem ser evitados por trazer riscos ao desenvolvimento neurológico do feto.

• Peixe cru e frutos do mar:
Não são  proibidos, mas é preciso estar atenta á higiene e conservação do alimento, pois como a deterioração é rápida, há maior risco de infecção intestinal.

• Bebidas estimulantes:
Café, Chá preto, Chá- verde, canel e bebidas energéticas estão associadas a maior risco de aborto e problemas cardíacos no feto, por isso o limite máximo do café  é uma xícara diária.

• Bebidas alcoólicas:
Proibidas pelo risco de má formação craniana e neurológica fetal

• Alimentos mal lavados:
Podem ser foco de Salmonella e ocasionar Infecção intestinal grave

• Ovo cru e maionese:
Alto risco para infecção intestinal por salmonella.

• Adoçantes:
De preferência não usar pois ainda faltam estudos que mostrem a ausência de riscos para o feto. Dar preferencia a sucos naturalmente doces e em ultimo caso a sucralose.

• Leite e derivados sem pasteurização:
Não ingerir leite sem ferver ou pasteurizar sob risco de doenças como botulismo ou infecções intestinais.
 
A palavra de ordem na gestação é moderação, portanto, eventualmente a gestante pode comer chocolate ou até alguns alimentos fritos e doces, mas é preciso acompanhar o ganho de peso nas consultas de pré-natal, a medida da pressão arterial e o nível de açúcar no sangue.

Para concluir, é importante que a futura mamãe saiba que essa dieta deve ser balanceada, rica em cereais integrais, legumes e frutas das mais diversas cores(sempre bem lavadas ou sem a casca) e leite (rico em cálcio).
Por que acontecem os desconfortos da gravidez?
Enjoos
Por que eles acontecem? Qual o período mais comum? O que fazer para aliviar?
Náuseas e vômitos são sintomas muito comuns do início da gravidez (mais precisamente nos primeiros 3 meses) e sua causa apesar de não totalmente conhecida, está associada ao pico do hormônio gonadotrofina coriônica humana. Nesse início a gestante tem menor motilidade do sistema digestivo, tendência a refluxo, excesso de secreção no estômago e sensibilidade exagerada a cheiros e sabores.

Recomendamos o uso de medicações especificas contra as náuseas, dieta fracionada rica em carboidratos a cada 2 horas e dar preferencia a alimentos gelados (sorvete), evitar alimentos de difícil digestão, evitar comer e beber ao mesmo tempo, evitar deitar-se logo após a refeição.  Pela manhã (quando o sintoma é mais frequente) realizar alimentação leve e mais seca.

Há casos em que as pacientes apresentam vômitos incontroláveis seguidos de desidratação e queda do estado geral, devendo ser internadas para hidratação, medicação endovenosa e coleta de exames.

Inchaço
Por que acontece o inchaço e onde ele é mais frequente? Existe um mês em que ele é mais comum? Como aliviar?
O inchaço acontece na gestação por vários motivos: aumento do volume sanguineo, alterações hormonais com tendência á retenção hídrica e ganho de peso que fragilizam os vasos sanguíneos. É mais comum nas pernas, porem pode-se extender e tornar-se difuso (acometer mãos, braços, rosto, abdome).

É mais comum no final da gravidez (em torno do oitavo e nono mês) e para reduzir a ocorrência desse sintoma deve-se ingerir bastante liquido, evitar alimentos ricos em sódio (refrigerantes, embutidos), evitar o ganho de peso exagerado(até 9 a 12 kg), praticar atividades físicas e o controle da pressão arterial.
 
Prisão de ventre
Algumas gestantes costumam reclamar da prisão de ventre, por que isso ocorre? Como podemos aliviar?
O hormônio que mantem a gravidez (progesterona) cursa com uma lentificação dos movimentos peristalticos que ajudam a evacuação e a eliminação de gases.

Para alívio é preciso investir em 3 pilares:
• Dieta equilibrada e rica em fibras,
• Ingestão de líquidos (pelo menos 2-3 litros de agua diariamente)
• Atividades físicas.

O uso de medicações laxantes é reservado para casos extremos.

Dor nos seios
A partir de que mês é comum acontecer? O que pode ser feito para aliviar ou reduzir o incomodo? O sutiã correto pode ajudar?
Já no inicio da gravidez a mulher percebe o desconforto das mamas e isso ocorre, pois nessa fase há um hiperestímulo das glândulas mamárias em resposta aos hormônios gravídicos com aumento e inchaço dos seios. Soutien esportivo (top ou sem aro de metal), prática de atividades físicas, evitar certos alimentos com cafeína e chocolates pode trazer alívio.

Dificuldade para dormir
A dificuldade para dormir também parece ser uma queixa comum. Por que isso ocorre (é pela dificuldade de uma posição, ou tem causas hormonais)? Como aliviar e conseguir dormir melhor?
São muitos fatores, sabemos que na gravidez há elevação do cortisol, homônio ligado ao stress, e que deixa a gestante com insônia, soma-se a isso o mal estar pelo ganho de peso, as preocupações decorrentes do parto e dos cuidados com o bebê.

Alguns cuidados podem resolver esse sintoma como o casal investir em massagens, uso de banhos e músicas relaxantes antes de deitar, evitar alimentos de dificil digestão e com cafeína, uso de travesseiros e colchão confortáveis.

Medicamentos ansiolíticos devem ser evitados por risco de má formação no bebê.

Incontinência urinária
É comum ter incontinência urinária durante a gestação? Por que isso ocorre? Como aliviar?
Sim, é um evento comum. São varios fatores: O aumento do volume sanguíneo e consequentemente aumento da quantidade de urina, a pressão do útero e feto sobre a bexiga e uretra podendo comprimir e até mudar o angulo dos orgãos facilitando esse sintoma.

Para evitar a incontinência orientamos urinar antes que a bexiga esteja muito cheia, afastar a presença de infecção urinária através de exames específicos, exercícios de fisioterapia para a musculatura da bexiga e do perineo.

Dores abdominais e pélvicas
Por que elas acontecem? O que deve ser feito nesses casos?
Até o final da gravidez o útero vai crescer cerca de 20 vezes o tamanho original e essas dores acontecem em resposta a esse crescimento do útero sobre os ligamentos que o sustenta, assim como mudança na topografia dos orgãos pélvicos. As veias apresentam-se dilatadas e congestas na região dos anexos do utero e cursa com bastante desconforto local.

Na ocorrência de dor leve e sem outros sintomas associados (como contrações, saída de sangue, secreção ou líquidos vaginais, ardência ao urinar) pode-se fazer uso de um analgésico prescrito pelo seu médico de confiança e manter repouso, mas sempre que um sintoma doloroso se manifestar procure o médico, faça uma avaliação para afastar alguma intercorrência mais grave.
Aborto
Aborto é definido como a perda do concepto antes de 20 semanas e/ou com peso menor que 500g, sendo algo muito frequente na população com estudos apontando que a cada 10 mulheres que engravidam até 3 chegam a sofrer essa perda.

A incidência exata  das taxas de abortamento não pode ser estabelecida por vários motivos como a alta taxa de abortos clandestinos e por aqueles ocorridos antes que a gravidez seja diagnosticada.

A Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia conseguiu definir algumas estatísticas:
• 80% dos abortos ocorrem ainda no primeiro trimestre;
• 2 fatores estão fortemente associados a essas perdas: a idade materna (mulheres após os 40 anos possuem duas vezes mais chance de perda em comparação àquelas de 20 anos) e antecedentes obstétricos (mulheres que já sofreram abortos prévios tem até 30% de chances de uma nova perda).
 
Ocorre em maior quantidade em que faixa etária?
Após os 40 anos essa taxa é elevada e a causa está associada tanto a fatores fetais (má formação fetal) quanto a fatores maternos (miomas uterinos, deficiência hormonal, doenças sistêmicas como diabetes e que envolvem a tireoide)

Quem já sofreu um aborto espontâneo, necessariamente, vai ter dificuldade para engravidar novamente?
Não necessariamente, a maior preocupação ocorre quando trata-se da segunda perda e de forma consecutiva. Após um aborto espontâneo é importante que a paciente procure o ginecologista e seja submetida a investigação sobre as causas e prevenção de uma nova perda.
 
Existe alguma maneira de evitar? Digo, se já existe um perfil de mulher de determinado "grupo de risco", o que ela deve fazer para não correr esse risco?
Mulheres após os 40 anos, com abortos prévios, tabagistas, portadoras de  doenças imunossupressoras como Lúpus e  Diabetes fazem parte do grupo de risco e os cuidados são variáveis.

O tratamento depende de cada caso, mas hoje existem medicamentos que agem facilitando o fluxo sanguíneo para a placenta, outros que mantem a taxa hormonal satisfatória  e existem casos como as portadoras de incapacidade em manter o colo uterino fechado (Síndrome da incompetência istmocervical) que são submetidas a um fechamento cirúrgico do colo uterino.
 
Geralmente o aborto espontâneo é confirmado apenas por médicos ou uma mulher consegue identificar?
 A mulher consegue identificar na maioria dos casos, pois há mudança no padrão do sangramento genital com maior fluxo e acompanhado de um material mais sólido junto aos coágulos e quase sempre com fortes dores abdominais.

O médico pode diagnosticar através do exame físico ou com o auxílio de exames de imagem como a ultrassonografia.
 
Sabemos que a vida moderna fez com que a mulher adiasse os planos de ser mãe, porem, como dica final ressalto a importância em começar a pensar em gravidez numa idade mais precoce e  evitar complicações como infertilidade e abortamento.

Antes de engravidar procure o Ginecologista, faça exames, tome vitaminas, tenha hábitos saudáveis para o corpo e para a mente.

Boa gravidez!
Drenagem linfática e massagem na gestação
Se tem uma coisa que toda grávida merece é uma boa massagem para relaxar e aliviar as tensões, não é? Quem já carregou os pesinhos extras que um bebê traz sabe bem o que é isso.

Mas apesar do cansaço, do inchaço e das possíveis dores no corpo, não dá para sair correndo atrás de qualquer procedimento. Isso porque alguns deles podem ser prejudiciais às gestantes.

“Primeiramente, deve-se evitar massagens na região da barriga, para evitar traumas no útero e dores abdominais, já que o útero se encontra em crescimento”, pontua Gustavo Ventura, médico ginecologista e mastologista, membro da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e da Sociedade Brasileira de Mastologia.

O ideal, segundo ele, é contar com a presença de macas próprias, com espaço para a gestante encaixar o abdômen, ou fazer uso de travesseiros para não comprimir a barriga e a pelve.
Ainda de acordo com o médico, grávidas apresentam maior sensibilidade à dor e maior fragilidade dos vasos sanguíneos. Por isso, a compressão da massagem deve ser sempre leve.

“Converse antes com o profissional que fará a massagem e sempre consulte seu obstetra antes de escolher qual é a mais indicada para você”, avisa.

O que está liberado para as gestantes
Massagem clássica ou relaxante
É uma opção que atua sobre mente e corpo.
“É feita por meio de movimentos suaves, rítmicos e deslizantes, que irrigam os tecidos e, com isso, equilibram o organismo e diminuem dores lombares e ansiedade”.

Drenagem linfática
Por eliminar toxinas e líquidos que ficam acumulados entre os tecidos, a drenagem linfática é muito recomendada para as gestantes, principalmente nos últimos meses, quando os inchaços se intensificam.

“Além de proporcionar relaxamento, ela diminui dores e, por eliminar os acúmulos, aumenta a sensação de conforto. Vale lembrar apenas que ela não é indicada para mães com insuficiência renal, hipertensão, infecções de pele e trombose venosa profunda (TVP).

Massagem com pedras quentes
Essa é mais uma opção bem relaxante para as gestantes. Como o próprio nome já diz, é feita com pedras de rio aquecidas. Por meio de movimentos de deslizamento e suaves compressões, ela diminui as dores musculares e a sensação é de extremo relaxamento físico e mental.

Shiatsu
Uma técnica chinesa que é recomendada apenas para grávidas com mais de 3 meses de gestação. “Utilizam-se os polegares e a palma das mãos para estimular e relaxar pontos de tensão 

O uso de óleos essenciais
Todas as massagens costumam ser feitas com óleos. E, apesar de parecer só um detalhe, as grávidas devem ficar bem atentas à escolha desses óleos. Afinal, alguns deles podem ser tóxicos para o bebê.

“Eles têm alta concentração de substâncias absorvidas pelo corpo. São extraídos de plantas e alguns são contraindicados.

Além disso, por existir uma infinidade deles, vale procurar a orientação de uma especialista em aromaterapia para não correr riscos”.

Para ajudar, a especialista lista alguns óleos que são indicados para cada fase da gravidez:
• Até o 5° mês, o ideal é usar óleos emolientes, como o de girassol e de amêndoas, que hidratam a pele e ajudam a evitar estrias;

• Após o 5° mês, se não houver restrição médica, pode ser usado o óleo de lavanda, que é calmante e relaxante.

• Já para dores musculares, os óleos de laranja e de gerânio são bem-vindos.
Gravidez ectópica
Riscos de uma gestação ectópica?
A prenhez ectópica é a ocorrência da gestação fora do útero e quase sempre nas trompas, tendo como fatores de risco a presença de doenças infecciosas uterinas prévias, cirurgias pélvicas, uso de progesterona, ocorrência de prenhez ectópica na tuba contra lateral.

O diagnóstico geralmente é obtido quando há o rompimento dessa trompa causando dor severa e hemorragia interna, por isso a importância em realizar a ultrassonografia endovaginal ao se descobrir a gravidez. O tratamento na maioria das vezes é cirúrgico com a remoção da trompa rôta e aspiração do sangue presente na cavidade.

Nem sempre é possível prever a ocorrência da prenhez ectópica, mas uma consulta pré concepcional com o casal deve ser estimulada.
Síndrome HELLP
A pré eclampsia é um dos principais medos do obstetra durante a gestação e se caracteriza por elevação da pressão arterial acima de 140x90 associada a perda de proteína na urina. Acontece após a vigésima semana de gestação pois suas causas estão associadas a uma alteração nos vasos placentários que se inserem no útero.

Após o diagnóstico, o tratamento deve ser iniciado imediatamente com uso de medicações para controle da pressão, medidas dietéticas como evitar o excesso de sódio e o ganho de peso e investigar o desenvolvimento de uma síndrome ainda mais grave, a Síndrome HELLP. Essa síndrome é o resultado da pressão descompensada sobre o organismo materno e cursa com queda das plaquetas e risco de sangramento, lesão no fígado, rins e até óbito.

Em toda consulta, a pressão arterial da gestante deve ser aferida e hábitos saudáveis como dieta equilibrada, exercícios físicos, evitar o stress podem reduzir os riscos da doença.
 
A escolha do parto
Se passaram 9 meses de gestação, já não dá para segurar a ansiedade e surgem as dúvidas:
• Qual parto pretendo ter?
• Se escolher esperar o parto natural, até quando posso esperar?
• Quando procurar a maternidade e avisar o obstetra?
• E se não dilatar rápido, até quando pode esperar (A mamãe fitness Bella Falconi  deu  a luz uma menina após 18 horas em trabalho de parto...)
 
Infelizmente o Brasil é campeão mundial em cesarianas agendadas e percebo várias causas para esse título, como a baixa remuneração paga pelos planos de saúde pelo parto natural(sabemos que pode durar horas), o medo das pacientes quanto á dor das contrações, da episiotomia(corte ás vezes  feito na vagina para facilitar a saída do bebê) e as lesões em vagina e períneo(ainda existe o falso pensamento que o parto normal alarga a vagina e reduz o prazer sexual). Em contrapartida, há uma tendência entre as futuras mamães em buscar informações e discutir com seu médico a forma e o local do parto.

São indicações de cesariana:
1 - Descolamento prematuro de placenta
2 - Sofrimento Fetal agudo (frequência cardíaca fetal não tranquilizadora ou presença de mecônio espesso)
3 - Placenta prévia (fecha a saída do canal do parto)
4 - Prolapso de cordão
5 - Apresentação córmica
6 - Herpes genital ativo
7 - Desproporção céfalo –pélvica (diagnosticada durante o trabalho de parto)
8 - Cirurgias uterinas prévias(como a retirada de miomas ou 2 cesarianas prévias)
 
Fora dessas ocasiões, o parto normal pode ser tentado e para controlar o bem estar do bebê temos aparelhos como a Cardiotocografia (registro dos batimentos do bebê) e para alívio das dores já existem anestesias que podem ser usadas sem risco para o bebê.

Para facilitar o seguimento da evolução do trabalho de parto, as maternidades usam o Partograma, que é o registro da dilatação e da descida do bebê no canal materno.
11 mitos e verdades da gestação
A penetração pode provocar aborto ou antecipar o trabalho de parto. 
Mito ou verdade? Por quê? Qual a recomendação? Caso seja permitido, a penetração é contraindicada em alguns casos? Quais?
Verdade. Em geral a relação sexual é liberada e deve ser estimulada  em qualquer período da gestação, porém, nos casos em que há sangramento, ameaça de aborto ou dilatação prematura do colo e bolsa rôta, a prática deve ser evitada pois o trauma local e o fluido seminal podem estimular contrações e aumentar o risco de abortamento e parto prematuro.

Carne crua ou mal passada deve ser evitada. 
Mito ou verdade? Por quê? Quais as condições para consumir, caso seja permitido?
Verdade. A carne e o ovo crus pode ser um veículo de infecções como Toxoplasmose, Hepatite e Salmonela, por isso o obstetra sempre recomenda carnes bem passadas.

O sashimi representa um risco menor de transmissão, mas é importante saber o estado de conservação e procedência.

Grávida não pode tingir o cabelo. 
Mito ou verdade? Por quê? Se permitido, a partir de qual estágio da gravidez?
Mito. A grávida pode tingir o cabelo com tinturas sem amônia e preferencialmente após os 3 primeiros meses(pois o bebê já está formado).

O alisamento capilar deve ser evitado pois usa formol e é tóxico ao feto.

Desejos são reais ou coisa da cabeça de grávida?
Mito ou verdade? Por quê?
Verdade. Com a mudança hormonal, a gestante sofre uma perversão do paladar e é aí aonde surgem os desejos(algumas vezes até estranhos)

Gestantes podem usar salto alto. 
Mito ou verdade? Por quê? Se permitido, há algum restrição quanto a altura ou formato do salto?
Verdade. As gestantes podem usar salto, mas a recomendação é que ele seja evitado ou usado em número baixo como 6.

Esse cuidado se deve ao fato de a gestante apresentar um desequilíbrio no seu eixo, maior propensão a quedas e com risco de trauma para o bebê.

Grávidas não podem beber nada de álcool durante a gestação.
Mito ou verdade? Por quê? Se permitido, qual a quantidade máxima e com qual frequência?
Verdade! O álcool pode trazer uma síndrome ao bebê com baixo peso e até distúrbios neurológicos, por isso é totalmente contra indicado.

Gestante não pode tomar banho de sol.
Mito ou verdade? Por quê? Qual a recomendação?
Verdade. Os hormônios da gestação cursam com aumento da melanina e manchas(principalmente na face que é denominada cloasma gravídico) e a exposição ao sol pode tornar essas lesões permanentes.

Portanto a exposição ao sol deve ser com cremes com fator de proteção solar a partir do fator 60, chapéus, óculos escuros.
 
Gestante pode usar qualquer hidratante no corpo. 
Mito ou verdade? Por quê? Há algum composto proibido? Quais os recomendados?
Verdade. A hidratação é essencial à pele da gestante para prevenir estrias e  ressecamento, com orientação a evitar aplicar na região genital e nos mamilos(pois a hidratação excessiva facilita as rachaduras com a amamentação).

Existem no mercado cremes específicos à pele da gestante e até sem cheiro para evitar a piora das náuseas e vômitos, por isso, pergunte ao seu obstetra a melhor opção ao seu caso.

Grávida não pode fazer musculação.
Mito ou verdade? Por quê? Qual a recomendação?
Mito. A gestante deve ser estimulada à prática de atividades físicas pois isso reduz o risco de hipertensão e diabetes na gravidez e com preferência ás atividades aeróbicas e no final da gestação, aquelas com menor impacto nos joelhos como natação, hidroginástica e pilates.

Grávidas não podem usar sauna. 
Mito ou verdade? Por quê? Qual a recomendação?
Verdade. A sauna promove desidratação excessiva e é um ambiente propício à proliferação de fungos e bactérias, portanto, deve ser evitado pela gestante sob risco de tonturas, desmaios, desidratação e infecções de pele.
 

Grávidas não podem conviver com cachorros e gatos.
Mito ou verdade? Por quê? Qual a recomendação?
Mito. O convívio pode e deve ser estimulado, mas com alguns cuidados. O s animais podem ser meios de transmissão de alergias de pele, respiratórias, infecções por fungos e bactérias e até de toxoplasmose (que habita as fezes do gato), portanto, levar sempre ao veterinário, realizar a higiene do animais, lavar sempre as mãos e realizar os exames de pre natal permitem uma gestação longe de doenças.